IGTI Blog
gestão do conhecimento

A gestão do conhecimento com ferramentas de colaboração

A web 2.0 e 3.0 e as ferramentas de gestão do conhecimento

As organizações têm demonstrado uma crescente demanda pela gestão das informações e do conhecimento de seus processos e dos seus colaboradores. Sabe-se que as ferramentas colaborativas auxiliam e podem dar o aporte necessário para que as organizações utilizem de forma sustentável a informação e o conhecimento.

Surgem, então, novas perspectivas para aplicação das forças que direcionam a produtividade  do conhecimento do trabalhador nessa nova era, o que detém o conhecimento. As empresas, desta forma, obterão melhores resultados e vantagens competitivas estratégicas baseadas no que conseguirão reter e obter de informação e conhecimento, oriundos de fontes internas e externas.

A gestão da informação e do conhecimento é uma coleção de processos que governa a criação, classificação, armazenamento, disseminação e utilização da informação e do conhecimento, para alcançar os objetivos estratégicos organizacionais. Vamos tratar aqui a gestão do conhecimento, que abarca a gestão da informação, pois sabe-se que o conhecimento é a informação interpretada e esta é o dado inserido em contextos.

Vivemos na sociedade do conhecimento, onde o recurso econômico básico não são os bens materiais, nem os recursos naturais ou a mão-de-obra, mas sim o conhecimento. Desta forma, trabalhadores do conhecimento desempenhariam um papel central nas organizações. Ao longo da história humana a vivência em grupo proporcionou a solução em conjunto das questões de sobrevivência. Este convívio grupal instiga o ser humano a compartilhar conhecimentos restritos, tornando-os coletivos e ampliando os saberes. Nos processos de aprendizagem, a colaboração e a cooperação exercem aspectos fundamentais para a alavancagem coletiva.

Nesta perspectiva, da importância da colaboração e cooperação na produção do conhecimento, necessita-se conduzir este cenário para o ambiente virtual. Para dar conta deste desafio, necessita-se de novas ferramentas de TI disponibilizadas na web, além de novas capacidades colaborativas e modelos de negócios que darão poder às empresas bem preparadas e destruirão aquelas que não forem capazes de se adaptar. As ferramentas colaborativas são as que proporcionam este novo tipo de colaboração e cooperação.

Na web, mudou-se a maneira de entender o que diz respeito à informação. O usuário passou a ser ativo e participante, utilizando a seleção e troca de conteúdo postado nos sites por meio de plataformas mais abertas e colaborativas. Este novo conceito foi denominado de Web 2.0. Obviamente, a tecnologia não é neutra e com o advento da Web 2.0 a sociedade sofre diversas mudanças, dentre elas, algumas podem ser consideradas fundamentais. A mais significativa no âmbito deste estudo é a possibilidade de expressão e socialização, a partir de ferramentas de comunicação mediadas por computador.

Surge, então, a necessidade de emprego de modelos que possibilitem que a informação e o conhecimento sejam melhor acessados, combinados, armazenados, compartilhados, disponibilizados e utilizados. Nesta linha, são inúmeras as possibilidades e ferramentas da Web 2.0 para a gestão do conhecimento, que foram agrupadas da seguinte forma:

Nesta perspectiva, todos concordam que a interação do usuário constitui o pilar da web 2.0, pois ele é quem usufruirá dos modernos recursos das ferramentas e do conhecimento retido e compartilhado. As aplicações propõem conteúdos dinâmicos e interfaces ricas, oferecendo meios para adicionar ou editar conteúdos, como podem ser comprovadas nas ferramentas citadas acima.

Em paralelo à web 2.0, surge o conceito da web 3.0 ou web semântica, que propõe um conjunto de tecnologias que ajudam a partilhar conhecimentos em toda a web entre diferentes aplicações. É sabido que a informação estruturada facilita o trabalho dos softwares de tratamento de informação, por exemplo, eliminando ambiguidades. A web semântica é o resultado da aplicação de tecnologias de representação de conhecimento em sistemas distribuídos em geral, preenchendo o hiato de comunicação existente entre o ser humano e a máquina. Além disto, a web semântica atinge sua maturidade quando utiliza ontologias (que são vocabulários) que orientam as marcações semânticas e aumentam a compreensão entre a máquina e o ser humano.

Em um artigo clássico, “The semantic web” (2001), Tim Berners-Lee cunha o termo web semântica e a apresenta como extensão da web atual, com o objetivo de desenvolver meios para que as máquinas possam servir aos humanos de maneira mais eficiente. Entretanto, é necessário a construção de instrumentos, no intuito de fornecer sentido lógico e semântico aos computadores. Diferentes campos da linguística computacional, banco de dados, representação do conhecimento, sistemas baseados no conhecimento e computação orientada para serviços, colaboram na construção da web semântica.

Uma das principais ferramentas que já foram incorporadas à web semântica são os Wikis Semânticos, que estendem os wikis tradicionais, permitindo a anotação dos conteúdos de forma explícita, tornando-os mais legíveis para as máquinas.

Algumas limitações dos wikis tradicionais podem ser resolvidos:

  •   Consistência do conteúdo: frequentemente, nos wikis tradicionais, a mesma informação pode aparecer em diversas páginas. A marcação semântica permite maior consistência nas informações, evitando esta ambiguidade, no momento que os usuários estão fazendo a inserção do conteúdo.
  •   Acesso ao conteúdo: grandes wikis têm muitas páginas, tornando um desafio procurar e comparar informações. Utilizando de buscas com sintaxes próximas da SQL, os wikis semânticos possibilitam o retorno preciso do conteúdo desejado.
  •   Reuso do conteúdo: a motivação dos wikis é disponibilizar a informação. O conteúdo pouco estruturado dos wikis tradicionais possibilita apenas a leitura nos navegadores.

Assim, os wikis semânticos possibilitam o enriquecimento semântico do conteúdo que permanece ainda de fácil manipulação pelo usuário, e permitem:

  •   Classificação e anotação para os links;
  •   Apresentação dinâmica dos conteúdos;
  •   Navegação mais rica;
  •   Metadados;
  •   Dados em triplas RDF (resource description framework);
  •   Busca semântica;
  •   Consultas embutidas.

O Semantic Media Wiki (SMW) é uma extensão, também free, do MediaWiki*. SMW está com versão atualizada e suas principais características são:

  •   Extensão do MediaWiki;
  •   Nada é sobrescrito no MediaWiki;
  •   As funções são chamadas quando necessário;
  •   Marcação semântica simples;
  •   Não é necessário um grande conhecimento em ontologias.

A estrutura semântica do SWM contempla:

  •   Categorias e subcategorias (classes para anotar a metaclassificação);
  •   Propriedades (links anotados);
  •   Tipos de dados (para delinear os valores);
  •   Instâncias (as próprias páginas wikis);
  •   URI (Uniform Resource Identifier – string de caracteres para identificar um recurso web).

Com relação ao SMW, sua simplicidade e facilidade de uso colaborativo, inerente à sua natureza de ferramenta wiki, permite constatar o interesse de seu uso em determinados projetos. Sobretudo, dá suporte à engenharia colaborativa de ontologias.

Vimos aqui, resumidamente, os principais conceitos da web semântica, e apresentamos o uso de uma ferramenta de wiki semântico, que constitui uma opção interessante de suporte à construção colaborativa para a gestão do conhecimento, com estruturação semântica. A capacidade de colaboração e cooperação torna-se rica e eficaz com a facilidade para a documentação simples. Cabe a nós adentrarmos nestes novos conceitos e propagarmos junto às organizações.

Pode-se dizer que, contemplando os processos da gestão do conhecimento, o que chamamos “filosofia wiki” potencializada por métodos e técnicas da web semântica e dá lugar a uma abordagem simples, mas eficaz, uma vez que a wiki já constitui, por si só, a própria documentação. Ressalta-se que MediaWiki e a SWM não são as únicas soluções de mercado, como mostrado anteriormente no comparativo das Ferramentas Wikis.

Professor autor: Fernando Hadad Zaidan

*O MediaWiki é um software livre e a sua instalação requer um servidor Web (Apache) um banco de dados (MySQL ou PostGreSQL) e a linguagem PHP.