IGTI Blog
Conhecimentos e novas tecnologias que transformam a excelência operacional

Conhecimentos e novas tecnologias que transformam a excelência operacional

Inovar é fundamental para um sistema produtivo e deve ser pauta do pensamento estratégico.

Os sistemas produtivos estão em constante evolução. É necessário que inovações apareçam agregando valor aos negócios das organizações. Não é segredo que novos métodos e técnicas buscando melhorias surgem a cada dia. Sabe-se que nenhuma organização pode abdicar seu destino cruel vinculado ao gerenciamento incessante das suas informações e conhecimentos para obter inovações nos seus processos, serviços e produtos. Sem a inovação, mesmo as empresas líderes absolutas sucumbiram. Neste contexto, melhorias contínuas, gestão de projetos e novas tecnologias acompanham o progresso constante e necessário para o planejamento da produção.

Joseph Alois Schumpeter foi quem melhor cunhou o termo inovação. Este cientista político e economista argumentou que existe um processo em que as organizações tornam cada vez mais criativas e relacionou o lucro empresarial em função do valor que o empresário pode proporcionar para a produção. Para Nonaka e Takeushi, as organizações inovam ao processar informações, de fora para dentro, com o intuito de resolver os problemas existentes, adaptando-se ao ambiente em transformação. Elas criam novos conhecimentos e informações, de dentro para fora, a fim de redefinir tanto os problemas quanto as soluções e, nesse processo, recriar seu meio.

Assim, os requisitos de melhorias acompanham as inovações porque novas atividades são necessárias para diminuir a diferença de desempenho atual e o desejado para a operação e processo produtivo. Quando algo novo que vai agregar valor surge é preciso avaliar o desempenho corrente de cada processo e operação, decidindo sobre qual será a meta de desempenho adequada a ser alcançada. Projetos certamente serão planejados e executados para alcançar este desempenho desejado. A identificação, planejamento de resposta e acompanhamento de riscos deverá estar no cotidiano dos gerentes de produção e projetos, entre outros stakeholders. Não esquecendo da gestão qualidade e todo ferramental técnico que acompanha sua implementação.

Para o gerenciamento de projetos contemporâneo o surgimento de métodos ágeis está em evidência. Contatou-se o kanban e sua abordagem com base na programação puxada da produção, vínculo direto com o just-in-time e o sistema toyota de produção. Nesta linha de raciocínio, dir-se-ia que o Scrum tem sua origem na gestão do conhecimento, bem como o foco em formatar as atividades de forma diferenciada, sendo uma inovação de processo. Técnicas como o cálculo do caminho critico perdem espaço para a gestão de sprints curtos priorizados por clientes e gestão de produtos, fruto a abordagem do Scrum. Os sistemas produtivos podem utilizar estas inovações para planejar e gerir suas operações.

Nesta perspectiva evolutiva, ressalta-se a incorporação da análise dos grandes volumes de informações (Big Data) por meio do conceito de analítica de negócios (Analytics) sendo incorporada aos produtos dos grandes fornecedores de sistemas para Enterprise Resource Planning (ERP). A analítica de negócios fornece suporte à tomada de decisão no momento correto, para as pessoas certas, baseando-se em números, estatísticas ou métricas diferentes das tradicionais que componham os scorecards e dashboards corporativos. O Big Data humanizado apresenta-se como estado da arte segundo Jason DeMears, o autor espera avanços para humanizar o Big Data, buscando mais dados empáticos e qualitativos e projetando-os de uma forma mais visualizada e acessível.

Ora, chega-se ao fim deste texto sem comentar a Internet of Things (IoT) que revoluciona a forma como as organizações utilizam os CHIPS com sensores monitorando e analisando estoques, manutenção, entre outras áreas. Falta o Six Sigma, metodologia que utiliza ferramentas e técnicas estatísticas para eliminar defeitos e ineficiências para melhorar os processos.

Conclui-se que a evolução contínua está em ritmo acelerado e as organizações precisam acompanhar, inovando e buscando novos conhecimentos. Tecnologias são utilizadas de forma sistêmica e integrada. Em suma, todo dia quando acordamos temos que aprender algo novo. Que venham aprendizagem de máquinas, realidade virtual e os serviços sob demanda!

Professor autor: Eder Alves