IGTI Blog

A importância do Retorno sobre Investimento

Com recursos para investimentos reduzidos, avaliar em qual projeto investir se tornou uma questão de sobrevivência para as empresas

Muitos projetos e poucos recursos. Este é o cenário das principais empresas do país hoje. Com a crise econômica ditando as regras, as quedas nas vendas levam a um menor poder de investimento das empresas, que, em sua essência, tem usado seus recursos para garantir a sua operação.

Dentro deste cenário, as empresas precisam avaliar com cautela em qual projeto investir. E para tal, um conceito importante deve ser tratado e difundido: Retorno sobre Investimento.

Este conceito é muito vinculado a aplicações financeiras. Investimentos em ações, Tesouro Direto, Poupança, são alguns exemplos. Cada um destes investimentos possui suas regras próprias e sua forma de retorno específica. Para os mais ousados, o mercado de ações, para os mais conservadores, um Tesouro Direto ou mesmo a poupança. Investimentos mais ousados tendem a ter um maior índice de retorno sobre o valor investido, mas como contraponto, um maior risco de perda. Já os conservadores, possuem menor risco e, na mesma linha, uma rentabilidade menor.

Infelizmente, quando vamos para a escolha de projetos a serem executados nas empresas, nem sempre esta variável é considerada ou mesmo conhecida. Termos comuns como OPEX e CAPEX também são uma incógnita em muitas empresas, onde custos de operação e investimentos em projetos são contabilizados da mesma forma. Uma necessidade de atualização quanto às vertentes da Gestão de TI devem ser realizadas nas empresas, com conceitos modernos preconizados pelas metodologias e frameworks como COBIT e ITIL. Algumas iniciativas como Gestão de Portfólio do PMI ou mesmo cursos de Gerenciamento de Projetos levantam técnicas de avaliação de investimento bem completas.

O que devemos observar é que o Retorno sobre Investimento nas empresas são mais complexos do que os investimentos no mercado financeiro. Variáveis fora do controle da empresa incidem sobre o sucesso e insucesso do projeto, além de contar com uma gama de stakeholders com interesses variados nos resultados finais.

Alguns itens que precisam ser avaliados quanto ao Retorno sobre Investimento em projetos:

  • Valor do Investimento – Quanto em recursos financeiros totais serão usados para a execução do projeto, desde sua concepção até sua implantação;
  • Tempo do projeto – Quanto tempo o projeto levará, desde sua concepção até sua implantação;
  • Fluxo de Caixa – Qual será o desembolso financeiro do Valor Investido no Tempo do Projeto;
  • Valor de Investimento Próprio – Do montante total do Valor do Investimento, quanto a empresa possui em caixa e irá aplicar no projeto;
  • Valor de Investimento de Terceiros – Do montante total do Valor do Investimento, quanto a empresa irá captar dos seus sócios ou investidores para aportar no projeto;
  • Valor de Investimento de Terceiros – Do montante total do Valor do Investimento, quanto a empresa irá captar no mercado, pagando juros, para aportar no projeto;
  • PayBack – Em quanto tempo o investimento feito será recuperado;
  • Recorrência – O valor ganho é por um tempo limitado ou será ongoing, ou seja, contínuo após a implantação;
  • Taxa de Juros – Qual a Taxa de Juros que o mercado está pagando para receber o valor de investimento no projeto, a fim de comparar o retorno do projeto;
  • Risco – Quais os riscos envolvidos no projeto, positivos e negativos;
  • Stakeholders – Quem são as partes interessadas e o que cada uma delas espera como resultado do projeto.

Estas são algumas das variáveis básicas que precisamos lidar quando tratamos de Retorno sobre Investimentos em Projetos. A Gestão de Projetos tem tratado muito sobre este assunto, vinculado à Análise de Viabilidade. A Simulação de Processos, proposta pela Análise de Processos de Negócio, também visa mitigar o risco do investimento, podendo criar várias hipóteses que podem ser comparadas e analisadas antes da implantação de um projeto. Mas o caminho é longo e os profissionais devem se capacitar para tratar estes assuntos no cotidiano das empresas.

Professor autor: Kerley Gontijo