IGTI Blog

Sistema baseado em radiofrequência (RFID) para Gestão de Estoques

O RFID é uma poderosa e versátil tecnologia para identificar, rastrear e gerenciar uma enorme gama de produtos em estoques nas organizações.

Existe uma tecnologia que há alguns anos vem sendo elaborada com grande potencial para substituir a prática de identificação física por etiquetagem dos materiais em estoque. Ela é conhecida como RFID (acrônimo para Radio-Frequency IDentification) em português, Identificação por Rádio Frequência, suas aplicações se adequam a lojas e supermercados, mas também aos grandes armazéns de distribuição de mercadorias.

Essa tecnologia de comunicação de curto alcance utiliza etiquetas RFID que podem ser lidas automaticamente por sensores nos check-outs do supermercado, dispensando o trabalho manual de leitura dos códigos de barras de cada item de mercadoria.

O uso de um sistema de informação para controlar e rastrear materiais em estoque, em conjunto com um sistema de tecnologia RFID para realizar a coleta de informações destes materiais, é capaz de atender a necessidade de informação sobre os produtos em toda a cadeia de suprimentos, além de obter um alto nível de detalhamento dessas informações sobre estes produtos, assim como redução de custos operacionais tornando todo processo mais eficaz e ágil.

Como funciona um sistema RFID

Este sistema é composto, basicamente, por uma antena, um transceptor, que faz a leitura do sinal e transfere a informação para um dispositivo leitor que fará a leitura do sinal de rádio, e também um transponder ou etiqueta de RF (rádio frequência), que deverá conter o circuito e a informação a ser transmitida. Estas etiquetas podem estar presentes em prateleiras, produtos, embalagens, materiais estocados e em equipamentos diversos.

Ao se adotar um sistema RFID tem-se a possibilidade de obter a rastreabilidade do produto durante seu ciclo de produção, estocagem ou transporte. A inserção deste sistema apresenta diversas vantagens quando comparado aos modelos atuais, sendo as principais delas:

a) Uso de equipamentos mais robustos e resistentes a algumas condições naturais como umidade e temperatura;

b) RFID não necessita do contato visual nem físico entre o produto e o leitor;

c) Possibilidade da coleta de grande quantidade de dados de forma automática e simultânea;

d) Maior segurança, devido a maior dificuldade em violar as informações armazenadas nas Tags ou etiquetas.

Para a elaboração do modelo a ser implantado em uma empresa, deve-se ter a preocupação de realizar a abordagem de alguns fatores críticos para a correta definição do modelo a ser adotado, nessa situação, as principais características a serem avaliadas para a estruturação do sistema são: o dimensionamento do sistema, característica do ambiente operacional, disposição dos componentes da rede RFID, modelo de equipamentos e infra-estrutura.

Muito utilizado no controle de mercadorias, as aplicações mais comuns da tecnologia RFID existentes no mercado são muitas e variadas. Algumas dessas aplicações são atreladas as seguintes áreas:

  • controle de estoque;
  • auditoria de vendas;
  • rastreamento de pacientes em um hospital, animais, cargas, pessoas, bagagens, Containers e Pallets, entre outros;
  • gerenciamento de frotas;
  • controle de notebooks;
  • peças de computador;
  • segurança em aeroportos;
  • rastreio de bagagens;
  • automação de pedágios ou estacionamentos;
  • controle de acesso integrado sem fio;
  • automação de Bibliotecas e muitos outros.

Assim, podemos concluir que a estratégia para gestão de estoques que utilizam métodos ágeis com o método de etiquetas(Tags) inteligentes que são aplicadas de modo inovador ao controle de materiais. O melhor aspecto desta tecnologia é a possibilidade de garantir, em toda a cadeia logística, a acuracidade dos dados referentes ao armazenamento de um determinado produto, a rastreabilidade e suas implicações para colocá-lo no mercado de consumo ao menor custo possível.

Professor Autor: Washington Cavalcanti